Sabe aquela pessoa que consegue até vender areia no deserto? Que é só piscar o olho que consegue convencer até o cliente mais difícil a comprar determinado produto? Que tem a habilidades de negociação? Então, essa pessoa não nasceu sabendo tudo.

Ela teve que se desenvolver ao longo do tempo e, assim como ela, você também pode desenvolver habilidades de negociação ao longo da sua vida como empreendedora.

E no texto de hoje eu vou te explicar um pouco mais sobre isso, te dar algumas dicas de como desenvolver essas habilidades e até algumas sugestões de livros. Já percebeu que meu texto de hoje é pra te ajudar e você sempre reler, né? Ah, e colocar em prática as dicas, ok?

A importância de desenvolver habilidades

Agora vamos começar explicando a importância de você desenvolver essas habilidades. Para começar, você deve ter começado o seu negócio sozinha. Isso quer dizer que todo o seu esforço reflete no desempenho da sua empresa. E no começo nós vendemos para as pessoas mais próximas, para conhecidos ou familiares.

Esse é o princípio de tudo, pois você tem uma noção das estratégias de venda que você precisa ter. Você deve destacar a função do produto, encontrar formas de mostrar como esse item tem relação com a solução do problema do cliente e também como o seu negócio possui o diferencial.

Esse último argumento pode ser percebido de uma maneira menos óbvia, pois de tantas lojas que oferecem o mesmo produto/serviço que você, qual o motivo do cliente comprar justamente de você e não do seu concorrente?

O primeiro passo para destacar esse diferencial é através do atendimento. Independente se o seu negócio for uma loja física ou um e-commerce, o contato entre as pessoas é fundamental para que a sua empresa tenha um diferencial.

No caso do e-commerce, se a sua empresa não tiver um atendimento que agregue valor ao cliente, as chances dele fechar uma nova compra ou até mesmo finalizar a alguma compra é pequena. Por mais que o cliente esteja em dúvida, o atendimento pode ser o diferencial entre uma venda ou não.

Isso quer dizer que você deve ser atenciosa, respeitar o espaço do cliente e não ser aquele vendedor-sombra que fica atrás do cliente a cada passo que ele dá na loja. Você deve encontrar um meio-termo em tudo isso.

Afinal de contas, alguns consumidores gostam de escolher com calma o que comprar. Na dúvida, chegue, se apresente para a pessoa e indique que está à disposição para ajudar a pessoa.

Além disso, seja sincera quando quiser ajudar o seu cliente. Mesmo que esteja cansada e estressada, aquele momento entre você e o consumidor é muito importante, pois é uma chance de fechar ou não a venda. É como eu sempre digo, o “não” a gente já tem, logo temos que batalhar pelo “sim”.

E se você é tímida, aí mesmo que tem que praticar essas habilidades de negociação. Pode parecer contraditório, pois se você não se sente à vontade para entrar em contato com o cliente, como vai fazer esse atendimento ativo?

Simples, se proponha a fazer todos os dias pelo menos 3 contatos com os clientes, sejam eles novos ou antigos. Pode parecer um número pequeno, mas se você colocar uma meta muito grande, como ligar para 50 clientes em uma semana, pode acabar mais desanimando do que motivando.

Entre em contato com essas pessoas, seja através de ligações ou pelo WhatsApp, e fale mais sobre o seu produto. Esse tipo de coisa é fundamental para que você pratique essas habilidades de negociação e também vença a timidez.

E como superar o “não”?

Agora eu vou falar da palavra mais temida de toda negociação: o “não”. Ela representa que nossos esforços não deram certo, que uma oportunidade se foi. Mas também pode representar uma nova forma de você negociar com o seu cliente.

Minha dica é que você preste atenção aos sinais que os clientes dão no momento que falam o “não”. Além disso, fique atenta aos argumentos que eles dizem para justificar a negativa. Geralmente esses argumentos mostram melhorias que você deve fazer no seu negócio.

Por exemplo, se o cliente fala que não pode pagar apenas no dinheiro, que tal investir em uma máquina de cartão? Não são caras como você imagina e o retorno para o seu negócio é enorme. Afinal de contas, quanto mais opções você tiver menor é a chance do seu cliente desistir da compra.

Leia mais

• Como fazer sua empresa render mais?

• Conheça os melhores indicadores de produtividade

Dicas de livros

Agora eu vou dar algumas dicas de livros para você ler e melhorar as suas técnicas de negociação. Pegue esses títulos e leia ao longo de 2018 para começar o seu ano com o pé direito, tanto nos negócios quanto na vida real. Vamos lá?

“Personal Branding – Construindo Sua Marca Pessoal”, de Arthur Bender

Antes de qualquer negociação, você deve entender que a sua confiança e autoestima afetam diretamente na sua capacidade de negociar. Por isso, invista no autoconhecimento e na sua marca pessoal, essencial para o seu desenvolvimento como empreendedora.

“Você Pode Negociar Qualquer Coisa”, de Herb Cohen

Esse é quase uma bíblia e ensina tudo o que você precisa saber sobre negociação. Mostra os estilos de negociação, os tipos de negociadores e todas as táticas que você deve investir para ter um bom resultado para a sua negociação.

“Consiga o que você quer – As 12 estratégias que vão fazer de você um negociador competente em qualquer situação negociar melhor”, de Stuart Diamond

Já li esse livro e posso dizer: é perfeito e super completo. Esse autor tem um curso bem famoso de negociação e todos esses ensinamentos estão nesse livro. É ideal para quem quer fazer negociações e não sabe por onde começar. Vale a pena comprar e ter como livro de cabeceira, para reler a cada momento.

E então, gostou do tema de hoje? Percebeu a importância de investir nas suas habilidades de negociação? Não desista, pratique todos os dias e se proponha a melhorar 1% a cada dia. E se você quiser ver mais dicas ou conteúdos bem legais, não só sobre motivação mas também sobre conteúdo e muito mais, acompanhe as minhas redes sociais.