Para gerir nossa empresa, precisamos conhecer diversas ferramentas de gestão, que nos auxiliem no dia-a-dia e o Diagrama de Ishikawa é uma delas. Você conhece ou já ou viu falar? Essa ferramenta é simples de ser usada, mas tem uma resposta muito eficiente perante os problemas que enfrentamos.

Por isso, chegou a hora de saber a sua origem e entender a sua aplicação, para que possamos cada vez mais melhorar nossos processos e eliminar os problemas.

1 – O que é o Diagrama de Ishikawa?

É uma ferramenta criado por Kaoru Ishikawa para melhorar a eficiência e auxiliar as empresas na gestão da qualidade, identificando os problemas a serem sanados. Ele também é conhecido como espinha de peixe, pela forma como é construído, veja na imagem principal do texto, seu formato original lhe deu esse apelido.

A grande sacada da ferramenta é identificar os fatores que levam à falta de qualidade e colocar uma ações corretivas como proposta de execução.

2 – Quando aplicar o Diagrama de Ishikawa?

Primeiro precisamos entender que o diagrama se relaciona com seis vertentes, que são:

  • Método
  • Material
  • Mão de obra
  • Máquinas
  • Medidas
  • Meio ambiente

Cada um desses grupos precisa ser analisado e questionado, para que possamos corrigir a ineficiência de determinados processos. Por exemplo, determinado processo da sua empresa não está funcionando corretamente, qual a origem do problema? Onde atacar para melhorar? Por meio dessa análise você pode montar seu plano de ação.

Leia mais

• Mudanças no sistema, esteja preparada

• Tenha uma gestão descentralizada

3 – Praticando o Diagrama de Ishikawa

Imagine que tenha uma empresa de prestação de serviços, com alguns colaboradores e a insatisfação dos clientes começa a ser identificada, mas você ainda não sabe a origem desse problema. Vamos dar os exemplos práticos de como colocar isso no papel, use o modelo da imagem principal do texto:

  • Método: seu fluxo de trabalho está apropriado?
  • Material: seus colaboradores recebem de você as ferramentas necessárias para a execução do trabalho?
  • Mão de obra: você oferece treinamentos e feedback constantemente para todos?
  • Máquinas: a eficiência dos seus equipamentos afeta a entrega dos serviços?
  • Medidas: você mede corretamente os processos e resultados para estabelecer um padrão de trabalho?
  • Meio ambiente: as condições para se trabalhar são favoráveis aos colaboradores, para que possam ter suas expectativas atendidas?

Isso foi só um exemplo, você que conhece a sua realidade e pode investigar muitas outras possibilidades, até encontrar o foco de cada problema e agir para resolver.

4 – Não faça nada sozinho

O ideal é que você envolva todos os níveis e tenha a percepção da maioria das pessoas que trabalham com você, essa atitude que vai fazer a diferença na análise e no plano de ação. Estabeleça esse vínculo de confiança e proximidade, a sua gestão vai melhorar cada vez mais.

Compartilhe suas experiencias conosco, me sigam no Instagram e vejam as novidades que sempre estão na minha Stories, sucesso!